domingo, 18 de dezembro de 2011

Estudando as profecias de Joel

video

ESTUDANDO O LIVRO DE JOEL



O Programa da Mulher Goiana

Mestra Rosinha (Educadora)







Eu queria chamar a sua atenção para a atualidade do profeta Joel.
Veja bem o que o profeta Joel descreve neste livro dele. Ele proclamou a sua mensagem a um povo que estava experimentando uma grande miséria.
Por causa de uma praga de gafanhotos ede uma seca muito grande que tinha acontecido ali em Israel, o mantimento estava faltando e isso como conseqüência afetava a vida de todos, tanto no campo quanto na cidade.
Traga isto para hoje.
Será que este quadro hoje poderia ser mudado? Quando nós olhamos para o contexto atual quando nós olhamos a nossa volta nós ficamos analisando e questionando que problemas afetam mais o povo? A igreja tem sido eficaz? Na busca de um Brasil melhor?  Em nosso país o que está mais presente no coração do povo? O clamor? O arrependimento? A esperança? Ou o temor de Deus?
Então vamos ver no decorrer deste estudo como Joel tratou estas questões com o seu povo e o que também nós devemos fazer hoje neste sentido.
A respeito do profeta Joel afirma um escritor o seguinte: o seu discernimento espiritual era notável, pois estava sempre vendo os reflexos das coisas eternas através das temporais.
O profeta Joel, faz diversas referencias ao templo, à igreja, aos sacerdotes, ao sacrifício. Isto mostra que ele estava familiarizado b em por dentro mesmo com o contexto de Jerusalém.
Provavelmente atuou até ele em Jerusalém e ali nas suas proximidades.
Agora a respeito da sua vida pessoal, infelizmente o seu livro não nos fala nada detalhado.nós não temos muito conhecimento, só sabemos por exemplo o nome de seu pai, o nome de seu pai é o único que fala, diz assim que ele era filho de Petuel.
Joel 1.1
Palavra do SENHOR, que foi dirigida a Joel, filho de Petuel
Mais é só isso. Nós não temos outras informações sobre Joel.
Quanto a época em que ele viveu, não há também um consenso, um acordo entre os estudiosos. Uns dizem que ele viveu durante o reinado de Joás em Judá 877 anos antes de Cristo. Outros defendem uma data muito posterior, a saber, depois do Exílio 400 anos antes de
Cristo.
Agora nós podemos afirmar que independentemente de sua data, a sua mensagem se aplica ao homem de nossos dias.
O contexto histórico de Joel apresenta um tempo de calamidade experimentada pela terra, em conseqüência de uma destruidora praga de gafanhotos e de uma grande seca. Você vê isso em Joel 1.1-20.
O povo não havia ainda atingido o estado de depravação verificado em outras épocas, mas a religião já podia ser caracterizada por um notável formalismo, religião formal, fria, preconceituosa.
Agora veja a mensagem de Joel. O conteúdo da mensagem de Joel pode ser dividido e compreendido da seguinte maneira:
Descrição de uma grande catástrofe. Joel descreve um cenário aterrorizante. Desolação na terra causada por gafanhotos e pela seca.
Convite ao arrependimento (Joel 2.2-17)
Diante do desastre estabelecido na terra havia somente uma saída. O arrependimento do povo.
Junto ao convite para o arrependimento o profeta lança uma palavra de esperança.
Promessa de bênção. Como resultado do arrependimento Deus se mostraria zeloso da sua terra, compadecendo-se de seu povo.
As bênçãos prometidas podem ser vistas com a normalização da situação da terra.  Derramamento do Espírito (Joel 2.28-30) e a restauração final do Israel de Deus (Joel 3.16-21).
Alerta quanto ao juízo vindouro (Jl 1.15; 2.1-11; e 3.1-17)
O grande e terrível juízo estava por vir sobre a terra. Diante disso, o profeta apresenta ao povo uma mensagem de alerta.
Agora, eu disse a você que Joel é um autor atual. Então vamos ver a atualização da mensagem de Joel.
Olha a mensagem de Joel, ela é profundamente oportuna atual para um mundo onde o pecado, o desespero, e a falta de Deus se verificam com uma gritante realidade.
O que deve ser feito? O que nos ensina o profeta Joel?
A lamentável situação da terra deve motivar o clamor, a intercessão.
A situação da terra é descrita em todo o capítulo 1, e pode ser resumida com a declaração do versículo 10.

O campo está assolado, e a terra triste; porque o trigo está destruído, o mosto se secou, o azeite acabou
Joel 1:10.
Devastação do campo, cessação dos serviços religiosos, tristeza e desolação.
Formava o cenário que traduzia a lamentável situação da terra naqueles dias. Onde até os animais do campo bramavam, suspirando por Deus.
Tratava-se de uma catástrofe sem precedentes. Diante disto o profeta Joel, desperta o povo para clamar a Deus.
Ele nos ensina que a lamentável situação da terra, deve motivar o clamor.
Não devemos reclamar devemos sim clamar, clamar aquele que é poderoso e que pode intervir, revertendo a situação.
O profeta Miquéias no seu livro Miquéias 6.9 escreve: A voz do SENHOR clama à cidade e o que é sábio verá o teu nome. Ouvi a vara, e quem a ordenou.
No contexto que estamos analisando, Joel poderíamos inverter a declaração e dizer a voz da cidade clama ao Senhor.
Este deve ser o primeiro projeto da Igreja, em face de lamentável situação da terra.
Deus ouviu o clamor dos filhos de Israel lá no Egito. Deus procura homens e mulheres que clamam e se apresentam como intercessores. Do Contrário, pode não haver esperança para a terra.
Diz a Biblia que Deus faz justiça aos seus escolhidos que a ele clamam dia e noite.
A imensurável misericórdia do Senhor deve motivar o arrependimento.
Diz o profeta Jeremias que a misericórdia do Senhor não tem fim (Lm 3.22)
De fato as misericórdias do Senhor não podem ser medidas, pois afirma também o salmista:
Salmo 103.11 Pois assim como o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem.
Ele diz ainda que a misericórdia que o profeta Joel lança ao povo um convite ao arrependimento (Joel 2.2-14).
Ele condena, porém o que? O formalismo religioso, dizendo que a expressão de arrependimento não deveria ser meramente externa como o rasgar das vestes, mas sincera e autêntica, com o profundo e verdadeiro rasgar de coração (Joel 2.13).
Certamente os males que hoje imperam contra a humanidade têm a ver com a rebelião do homem contra Deus.
O que Deus aguarda de cada um, para derramar copiosamente as suas bênçãos é o arrependimento sincero como você pode ler em Oséias 4.1-3. Oséias 5.15. Oséias 6.12 seguintes.
Diante do que os nossos olhos têm contemplado, a igreja deve resgatar a mensagem proclamada também por João Batista e reiterada por Cristo no começo desta era.
Arrependei-vos. Arrependei-vos.
Antes de falar do juízo de Deus, sobre a terra, a igreja deve falar da misericórdia divina. A consciência da incomensurável misericórdia do Senhor, deve motivar o arrependimento da humanidade.
Paulo afirma que a bonde de Deus, é que conduz ao arrependimento. As imutáveis promessas do Senhor devem motivar a esperança.
Joel 2.18 Então o SENHOR se mostrou zeloso da sua terra, e compadeceu-se do seu povo.
E promete bênçãos grandiosas. Podemos classificar tais bênçãos sobre três aspectos:
Bênçãos materiais. Normalização da situação da terra.
Bênçãos espirituais. Derramamento do Espírito. (Jl 2.28-30)
E a bênção eterna. Restauração final do Israel de Deus.
A benção material. Deus promete ao povo normalidade na agropecuária. (Joel 2.22-25)
Então o Senhor está prometendo isto aqui no capítulo 2 de Joel. Veja bem é lindo demais. O Senhor está prometendo que a chuva viria que o deserto iria reverdecer, as árvores iriam dar o seu fruto, a figueira e a vide haveriam de produzir com vigor. Que coisa maravilhosa! As bênçãos de ordem material. Deus promete isto: estabilidade climática, proteção, fartura e alegria.
O nosso Deus é maravilhoso. E ele diz no v.25 de Joel.
Joel 2.25-27
25.E restituir-vos-ei os anos que comeu o gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a lagarta, o meu grande exército que enviei contra vós.
26.E comereis abundantemente e vos fartareis, e louvareis o nome do SENHOR vosso Deus, que procedeu para convosco maravilhosamente; e o meu povo nunca mais será envergonhado.
27.E vós sabereis que eu estou no meio de Israel, e que eu sou o SENHOR vosso Deus, e que não há outro; e o meu povo nunca mais será envergonhado.
Sabereis que eu estou no meio do Brasil também e que eu sou o Senhor vosso Deus, e não há outro, e o meu povo jamais será envergonhado.
Também tem a benção de ordem espiritual.
Joel 2.28-30. Deus promete ainda o derramamento do Espírito Santo sobre toda a carne, veja aí o que está escrito no v.28;
E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.
Joel 2:28
Que promessa maravilhosa. Gloriosa. Afirma o apóstolo Pedro que esta promessa se cumpriu naquele memorável dia de pentecostes quando aproximadamente 3.000 pessoas aceitaram a palavra e foram batizadas em Jerusalém.
Então o Senhor derramou no dia de Pentecoste o seu Espíoirito e até hoje ele continua ainda derramando de seu espírito.
Depois vem  bênção eterna.
A terceira promessa de Deus é a restauração final de Israel e diz assim esta promessa não deve ser entendida.... Devemos considerá-la segundo o aspecto escatológico.
O escritor Jerônimo Poti ele faz a seguinte afirma cão, é possível entender estas palavras a luz do Novo Testamento com as ricas promessas do Senhor para o seu povo em todos os tempos.
Diante de tais promessas o profeta Joel desafia o povo a renovar suas esperanças.
Deus procura homens e mulheres que clamem que se apresentem como intercessores do contrário pode não haver esperança para a terra.
Hoje há muitas pessoas ansiosas e desesperadas usando um sentido para a vida nos prazeres carnais. No jogo, nos tóxicos. Nas religiões. Sem, contudo encontrar a paz. Alguns chegam ao extremo de destruir a sua própria vida, como expressão máxima do desespero.
O mudo de hoje é um mundo desesperado. Mais devemos entender que nem tudo está perdido. Entre as gloriosas promessas do Senhor está a promessa de 2 Pedro 3.13 NOVOS CÉUS E NOVA TERRA.
Você lê estas promessas em Is 65.17 (em 2 Pd 3.13). as promessas do Senhor são fieis nem mudam e nem falham.
Assim escreve Paulo a Tito: Deus que não pode mentir prometeu. (está lá no livro de Tito 1.1).
As imutáveis promessas do Senhor devem motivar a esperança.
O inevitável juízo de o Senhor deve motivar o temor.
Após falar da situação da terra, da misericórdia e promessa do Senhor, o profeta Joel alerta o povo para uma realidade que não pode ser esquecida. O inevitável juízo do Senhor.
Joel 1.15 O inevitável Juízo do Senhor.
Também Joel 2.1-11 o profeta descreve o juízo do Senhor e termina dizendo:
Grande é o dia do Senhor e mui terrível! Quem o poderá suportar?
Finalmente em Joel 3.1-17 está descrito sobre o juízo sobra às nações infiéis, inimiga do povo de Deus. Haverá um dia de acerto de contas em que todas as nações serão julgadas.
E este juízo vira sobre as nações para que todos saibam que o Senhor é Deus.
Certamente a consciência deste tremendo justo e inevitável juízo devem motivar o temor do Senhor.
Ao mencionar este juízo o profeta Joel desejava despertar no coração do povo, o temor devido ao Senhor.
Reiteradas vezes, vemos a palavra de Deus o alerta quanto ao juízo vindouro. Atualmente muitos vivem apáticos de tal maneira que demonstram  não acreditar no juízo final.
Há ainda aqueles que acreditam que no final todos acabarão sendo salvos. Esta maneira irresponsável de considerar o juízo divino tem levado muitas pessoas até mesmo a igreja a não cultivar em suas vidas o temor de Deus.
O que você pensa? Fala? E faz? Revela esse temor de Deus?
A consciência do inevitável juízo do Senhor deve motivar o temor. Esse é o apelo de Hebreus 12.28,29.
28.Por isso, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente, com reverência e piedade;
29.Porque o nosso Deus é um fogo consumidor.
Que o Senhor te abençoe que esta palavra esteja aí gravada no seu coração.






Nenhum comentário:

Postar um comentário